👷🏼 Luva para Eletricista: Será que protege?

👷🏼 Luva para Eletricista: Será que protege?

⚡️ AULA GRATUITA: Como Fazer Uma Instalação Elétrica Completa do Zero, Com Facilidade, Mesmo que Você Não Seja Um Eletricista Profissional:
https://eletr.co/aula?utm_content=yt1-vd445 />——

📣 COMUNIDADE FAAALA ENGEHALL 📣
Junte-se à nossa comunidade no WhatsApp para receber dicas e novidades valiosas na área elétrica, informações importantes e muito mais. 😉
👉
https://eletr.co/fala-eng?utm_content= />——

Gostou desse vídeo? 😍
✔️ Deixe seu comentário e compartilhe com os amigos
✔️ Siga nossas redes ➽
https://eletr.co/links
– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Luva para Eletricista: Será que protege?

Garantir a saúde e a integridade dos colaboradores é uma preocupação constante de gestores e responsáveis pela segurança no trabalho nas empresas. Há áreas, entretanto, que apresentam riscos adicionais aos profissionais, sendo necessário observar exigências específicas. Um bom exemplo é a eletricidade, de modo que é essencial conhecer os EPIs para eletricistas.

O tema é tão complexo que existe até mesmo uma regulamentação específica para ele. Estamos falando da NR-10, que aborda os requisitos e as medidas de segurança para profissionais do setor.

Além da obrigatoriedade de treinamento, ela também indica quais equipamentos de proteção individual devem ser usados pelos profissionais que atuam no setor elétrico. São os EPIs dielétricos, que diferem dos demais por serem confeccionados em materiais que impedem a condução de eletricidade.

Para entender melhor quais são os EPIs obrigatórios para o eletricista, continue lendo. Preparamos uma lista com os principais.

1. Botina
É importante ter muito cuidado ao escolher calçados de segurança para os eletricistas da sua empresa. Isso porque, ao contrário de alguns calçados de segurança, a botina para eletricista precisa ser um equipamento dielétrico, ou seja, não pode conter nenhum componente metálico nela.

Os calçados dielétricos, além de não serem condutivos, ainda conferem maior leveza e conforto.

2. Luva isolante
Visto que as mãos do eletricista estão diretamente em contato com fios e outros componentes que podem ocasionar choques elétricos, é fundamental proteger essa parte do corpo. Nas atividades em cabines primárias, por exemplo, além da luva isolante, é importante usar outra, confeccionada em couro, por cima. Essa última vai garantir a integridade da peça isolante, aumentando a sua durabilidade e eficácia.

3. Manga isolante
Nem sempre são só as mãos que ficam em contato com os componentes elétricos. Há serviços em que esse contato se estende aos braços e é aí que as mangas isolantes se tornam necessárias. Alguns modelos contam, inclusive, com alças para fixação nos ombros, o que aumenta o conforto e a segurança durante o trabalho.

3. Protetor facial
O protetor facial para eletricistas foi criado, em especial, para proteger contra arco elétrico ou fogo repentino. Normalmente ele é acoplado a um capacete dielétrico, e envolve toda a face, inclusive o queixo.

O visor costuma ser transparente, para que o trabalho não seja prejudicado. Dependendo das condições de trabalho, há profissionais que o utilizam associado a um tipo de balaclava.

4. Cinturão
O trabalho em altura exige o uso de cinturão de segurança. Mas o que fazer quando a função envolve dois riscos: o da altura e o da eletricidade? Para esses casos, existe um cinturão específico para eletricista que, além da proteção contra possíveis quedas, também é dielétrico, o que significa que a proteção contra choque elétrico está assegurada.

5. Capacete classe B
Diferente do capacete classe A, que protege a cabeça do profissional contra impactos, o eletricista deve utilizar o capacete classe B, que é dielétrico e, portanto, visa minimizar os riscos de choque elétrico e impacto.

Como você pode ver, os EPIs para eletricista diferem dos que normalmente são usados por outros profissionais, por suas características não condutivas. Vale lembrar que é dever da empresa providenciar tais equipamentos, além de treinar, conscientizar e fiscalizar os colaboradores quanto à sua correta utilização.