Disjuntor do “PADRÃO” desarmando antes do DISJUNTOR do QDC? 😱⚡

Disjuntor do “PADRÃO” desarmando antes do DISJUNTOR do QDC? 😱⚡

👉 MEU AJUDANTE: https://eletr.co/meuajudante01

⚡️ AULA GRATUITA: Como Fazer Uma Instalação Elétrica Completa do Zero, Com Facilidade, Mesmo que Você Não Seja Um Eletricista Profissional:
https://eletr.co/aula?utm_content=yt1-vd1085 />——

Disjuntor do “PADRÃO” desarmando antes do DISJUNTOR do QDC?

O detalhe é que quando o padrão desligava, no QDC desarmava o disjuntor de um circuito específico, só que o disjuntor geral da QDC não atuava. E um agravante, não era sempre que isso acontecia… o famoso problema intermitente, uma vez ou outra atuava um, depois atuava outro, e por aí vai…
Porque um disjuntor atua?
Sabemos que os disjuntores desarmam ou por sobrecarga ou por curto circuito, quando o disjuntor desarma por sobrecarga, ele não afeta outros circuitos, só o sobrecarregado!

“Provavelmente o disjuntor do padrão não atuou por sobrecarga, deve ter sido curto circuito. Mas porque não desarmou só o disjuntor do circuito em falha?”
Pode acontecer de desarmar um disjuntor, geralmente a montante, ou seja, o disjuntor que está antes do disjuntor da falha, e que nada tem a ver com o circuito. E na maioria dos casos, o erro está na famosa “SELETIVIDADE”

Mas o que é esta seletividade?
A seletividade é o isolamento de um circuito com falha até o ponto de falha, sem que nenhum outro circuito seja afetado. Em indústrias é muito comum ser feito um estudo de coordenação e seletividade para que não aconteçam paradas por falta de energia. E esta seletividade pode ser feita de 4 maneiras: por tempo, corrente, energia ou zona.

Como a seletividade por tempo é a mais simples de ser aplicada, é a que utilizamos nas instalações residenciais e comerciais. A seletividade por tempo é aquela em que analisamos a curva de disparo do disjuntor.

O problema é que, dependendo da corrente de curto circuito, pode acontecer que tanto o disjuntor do circuito, quanto o disjuntor do padrão desarmem ao mesmo tempo. Ou não, pode ser que apenas o disjuntor do circuito desarme, isso explica o fato do problema ter sido intermitente, algumas vezes o padrão atuava junto, outras vezes não!

Para ficar mais fácil o entendimento, nada melhor do que provar na prática né, olha nossa simulação.
A proteção do nosso experimento será a que fica dentro do nosso QDC, que é de 63A. ela será como se fosse a proteção lá do padrão de entrada

E para simular o QDC da residência, também vamos usar como proteção geral um disjuntor de 63A e um disjuntor de 16A para simular a proteção do circuito. Reparem que colocamos também dentro do nosso experimento, duas lâmpadas. A lâmpada vermelha servirá para mostrar que o disjuntor do padrão está ligado e a lâmpada branca para mostrar se nosso circuito está ligado.

Agora vamos simular o curto neste circuito de 16A e ver o que acontece.
Reparem que assim que acontece o curto, o disjuntor do circuito desarma, porém o disjuntor que seria a proteção geral do QDC não desarma. Até aí, tudo bem, pois é assim que deve ser. Porém reparem que a lâmpada vermelha está apagada, o que indica que o disjuntor do padrão de entrada desarmou.

“Caramba, mas isso acontece sempre André?”
É como eu disse meu querido, é um problema que pode ou não acontecer, tanto que pra gente conseguir fazer esse teste funcionar, foram várias tentativas aqui na empresa, tinha hora que o disjuntor geral do QDC atuava, tinha hora que era o do padrão, tinha hora que era só o do circuito.

Enfim, duas dicas eu dou para ao menos “diminuir” a chance de acontecer esse problema!
1 – Procure sempre usar como disjuntor geral o que tiver a maior curva de disparo!
Ex: Se na instalação você tem disjuntores de curva C para tomadas, e curva B para chuveiro, opte por colocar disjuntor curva C como geral tanto do QDC quanto no padrão!

2 – Observe também a capacidade de interrupção de curto circuito dos disjuntores. A maioria dos disjuntores DIN do mercado são de 3kA, já no padrão é recomendado usar valores acima disso, 5kA ou 10kA por exemplo, isso indica a “robustez” do dispositivo, por isso no padrão recomendo com maior capacidade.
Acabamos descobrindo que não era a tomada que estava em curto. Sempre que havia alguma vibração no local ou dilatação, o cabo fechava curto.

Bacana André, e quanto foi cobrado pela visita técnica?
Contando com o tempo de deslocamento, ida e volta, gastamos 3h de serviço. A hora da Engehall calculada pelo APP Meu Ajudante para esse serviço é de R$150,00, fechando o orçamento já com o diagnóstico e solução em R$450,00.

Mas e se você tivesse gastado mais horas pra descobrir?
Nesse caso foi informado para o cliente que o atendimento seria de no mínimo 2 horas e no máximo 6 horas se precisasse, ou seja poderia ficar entre 300,00 a 900,00, ele concordou e partimos pra realizar, pra ele ficou de bom tamanho, 450 é metade dos 900,00 que ele poderia gastar.